Páginas

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Obrigada :)


M: Lolol és demais!
A: Porquê?
M: Impopular lol
A: E sou...
M: Só tu para te lembrares daquilo.
A: Mas é a verdade... Sou mais impopular que tremoços consumidos com água.
M: Ahahaha oh rapariga até choro a rir!
A: A minha vida é uma comédia, não sabias? :)
M: O teu blog é o máximo. Devias concorrer aquelas cenas que ás vezes dão prémios aos blogs. Acho que tinhas boas hipóteses.
A: Hum.. não fiz o blog para ter notoriedade. É só para descomprimir e poder dizer algumas asneiras... só isso.
M: Eu gosto muito de ler. Sincero e com humor.
A: Obrigada. É sempre bom saber que pelos existe uma pessoa que me lê. :)
M: Sim eu sou Fã.

Esta foi uma conversa com uma amiga de Coruche, e é por isto e por estas pessoas que eu continuo a partilhar a minha vida com o mundo. (ou pelo menos, com uma pequena parte dele)
Por ter o privilégio de poder alegrar e fazer um pouco mais feliz a vida de alguém... e por isso mesmo, vivo também eu mais alegre.
Obrigada por fazerem parte de mim...
Cheers :)

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Nostalgia


Há uns dias para cá, tenho adicionado ao Facebook amigos de escola... principalmente pessoas com quem fiz os anos de 10º até ao 12º ano... Ao olhar para as pessoas que eu adicionei, apercebi-me que já se passaram 11 anos desde aquela altura e o que eu acho espantoso é que muitas delas continuaram amigos mesmo depois da escola... Ainda no outro dia passei por um deles e o nosso "Olá" foi tão atabalhoado que até meteu dó... E era uma pessoa com quem eu passei horas e horas ao lado*... Alguns já estão casados, outros são professores, podologistas etc...
Nem é bom falar, porque só agora é que eu vou para a faculdade... Fico um pouco triste... Devia ter feito muito mais com a minha vida... Mas se Deus quiser, ainda estou muito a tempo...
* Acho que sempre fui um pouco impopular e "outcast" na escola, principalmente com a malta de 12º ano...
Cheers :)

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Música de hoje :)

Cheers :)

Serão capazes?

Lembram-se deste ----->post?<----- Será que sabem distinguir as mulheres inteligentes das que dão consideravelmente menos trabalho?
Digam o que disserem eu gosto da irreverência da P!nk. Reflecte-me imensas vezes...
Cheers :)

Eu gosto é do Verão...


No Sábado tive a feliz ideia de ir para a praia....
What the hell, quase que voava com a nortada*... Até o Verão está em recessão cá no nosso pequeno jardim plantado á beira mar...
Se tive 10 minutos com o rabo alapado na areia foi muito... Raio de vento...
* e olhem que para me fazer voar ainda são necessários uns bons Kms/hora...
Cheers :)

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Tu que espreitas o blog.... sim tu.


Eu entreguei o meu coração á muito tempo... o problema é que ele nunca me foi devolvido...
 O que eu sinto por ti nunca vai mudar. É claro que eu te amo - e não há nada que tu possas fazer para mudar isso!
Cheers :)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

All i want to do is trade this life for something new...

Linkin Park -  Waiting for the end.
 
 
I know what it takes to move on
I know how it feels to lie
All I wanna do
Is trade this life for something new
Holding on to what I haven't got
 
Cheers :)

Christine


Porque nem só de ar vive o ser-humano, hoje estava com o olho pregado na tv, quando vi no canal Hollywood a apresentação do filme "Christine - o carro assassino", em virtude do mês de Julho ser o mês dos filmes com tema sobrenatural naquele canal...Basicamente, é a história de um nerd que compra uma sucata velha com o intuito de o restaurar, mas á medida que o tempo passa, o rapazito começa a ficar afectado do clima por causa do carro, e basicamente, o carro mata todos os que se metem entre os dois... tipo namorada ciumenta (obcecada)...Ok eu não quero ser spoiler ou coisa do género, mas o facto é, quão difícil é fugir de um carro?? Basta subir para algo suficientemente alto e forte para aguentar o impacto... e manter se lá em cima... que raio é que ele vai fazer? Esguichar-nos com limpa-vidros?*
Eu não sou adepta, como eu já disse anteriormente, de filmes que me façam subir a adrenalina, mas tal como aconteceu no Jennifer's Body, com a Megan Fox**, decidi arriscar, e também pendia o facto de o filme ter saído pelo ano de 1983... vá lá, que raio de terror um filme com quase 30 anos, sobre um carro possuído, poderia ter??***
Então decidi assistir... 
O que é certo, é que me ri como uma perdida em certos momentos, mas não posso deixar de tirar o chapéu ao sr. Stephen King... o homem era um génio em termos de assuntos de terror... quem esquece o filme "Pássaros"? não posso dizer o mesmo em relação aos filmes... na verdade "Christine" tem menos gore que muitos filmes de classificação para 12 anos, mas é uma boa sugestão para as "cobardolas" como eu :)****
* Sim sou um bocado spoiler, que se há de fazer?
**Foi neste momento que eu sei que prendi a atenção a muita gente, vá vejam lá o filme, nem que seja para tirar as medidas á Megan.
***Além de que carros serem a minha terceira paixão.
****É também sugestão para apreciar um dos actores principais de olhitos verdes... :) xiuu fica só entre nós...
Cheers :)
Para quem se interesse, "Christine" era um Plymouth Fury de 1958

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Ouch....

Isto  já vos aconteceu?
Acabou de me acontecer... 
Experimentem levar com um Nokia 5800 na cabeça e depois digam-me alguma coisa.... Sacana de telemóvel escorregadio... Gosta de ser ninja e atacar-me...
Cheers :)

Paixão, Paixão! não vais fugir de mim....

Eu não devia confessar isto, mas eu tenho uma paixão secreta, e ando a pensar nele há já imenso tempo, adoro as curvas, a luminosidade... muita coisa mesmo! E ele anda-me a tentar, aiiii se anda!
O culpado é este menino:
BlackBerry Bold 9780
Sempre que passo por uma loja e vejo-o, dá-me sempre vontade de dar o passo seguinte, mas a vozinha consciente lá me diz: "Tu tem juízo rapariga!! Vá, larga lá o bichito e anda embora... um passito de cada vez..."
Mas já me perdia por um destes:)
Samsung Galaxy S
Já sei o que estão a pensar: que consumista! Vá, não pensem assim, porque se o fosse já o tinha aqui pousado na cama a meu lado...
Cheers :)

Melissa na vida...

Estas duas preciosidades entraram no meu universo de sapatos á pouco tempo e garanto-vos que as adoro :)
Melissa com Thais Losso

Melissa com os irmãos Campana
E garanto que adorava ter estas... achei as lindas....
Se alguém quiser oferecer... o meu tamanho é o 37 :D
Cheers :)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Quero ir....

Gostava de apanhar um avião agora e fugir para aqui:
Esquecer tudo... nem que fosse durante uma semana... é nestas alturas que eu gostava que o Lobo Frontal do meu cérebro se desligasse, para que não pensasse, nem sentisse, não sentisse saudades pela falta de alguém... Acho que eu devo isso a mim, não? Não devo ser a única de certeza....
Cheers :)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Há cada coisa...


... que não entra no meu perfeito (not) juízo. Ontem a minha mãe "presenteou-me" com um iogurte. Bom, tudo bem aqui. Até era da Adagio e eu até gosto. Tiro a tampita de segurança e bottoms up... Mas depois de ter dado o primeiro gole, achei que aquele iogurte tinha algo de diferente, que não me deixou propriamente maluca por ele. Fui ver os ingredientes... Côco, limão e... PIMENTA?? Mas que raio! agora vou ter de andar em alerta para os ingredientes de um simples iogurte?? 
Estragou-me um momento perfeitamente zen... e aparentemente inocente...
Cheers :)

terça-feira, 12 de julho de 2011

O momento "tou fodido"


Não sei se estão familiarizados com o momento "tou fodido/a". O momento "tou fodido/a" ocorre, regra geral, quando não tínhamos intenções de nos apaixonarmos por alguém e precisamente quando percebemos que as intenções pouco importam e que, basicamente, já fomos. O momento "tou fodido/a" ocorre (igualmente ou em simultâneo) quando nos sentimos indefesos perante a pessoa em questão, quando ela nos olha e sentimos o estômago encolher, quando ela nos toca e o Mundo começa a girar em câmara lenta. É aquele momento em que a outra pessoa encosta os lábios aos nossos e nós dávamos tudo para que aquilo não acabasse, ou em que sentimos o cheiro da sua pele e nos parece a melhor coisa do Mundo, ou em que temos a certezinha absoluta de que não é humanamente possível alguém reunir tanta perfeição - mas ela está ali, mesmo à nossa frente, para mal dos nossos pecados (ou não). Esse momento inoportuno, dispensável e exasperante em que miramos de soslaio a pessoa, o ar pára de nos descer pela traqueia perante os gestos mais simples dela e damos connosco a pensar, nada mais, nada menos, do que "oh não... ohhh nãooooo.... merda... tou fodido/a.". Isto tudo para dizer que eu estou, sim, muito, para lá de... Fodida. E reparem no "F", maiúsculo e tudo.
Cheers :)

Eu já…#1


Já montei um cavalo que valia tanto como um carro de luxo. Já fui vítima não de uma queca mágica, mas de um beijo mágico. Já vim a correr da cozinha para o quarto a correr porque tive medo do escuro. Já dormi de luz acesa porque tive medo. Entro em taquicardia sempre que ouço um trovão. Já pesei quase 70kgs. Já bebi até vomitar. Eu já dei um malho em frente a toda a gente. Eu já atentei contra a minha vida. Eu já caí de um cavalo e fiquei toda pisada. Já amei mais do que podia e chorei outro tanto. Já ri até doer a barriga. Já senti amor e deixei de sentir. Já plagiei textos. Já chorei por um animal. Já senti paz apenas por montar um cavalo sozinha. Já enfrentei a minha fobia de palco ao cantar num karaoke (estava vazio). Já aguentei maldades e não chorei, chorei depois. Eu já dei todo o dinheiro que tinha a um sem-abrigo. Já salvei um gatinho que tinha fome. Já fui traída. Já dancei em cima de uma coluna numa discoteca. Eu já cometi erros cujas consequências ainda estou a sofrer. Eu já dei tudo a uma pessoa que depois me desiludiu. Eu já usei o cabelo cortado "à tigela". Eu já dei um "xoxo" numa amiga, só porque me disseram que não era capaz.  Eu já perdi quilos e horas de sono por ter o coração partido. Eu já chorei durante duas horas sem parar depois de ver um homem dar uma chumbada num cão. Eu já apanhei passarinhos que caíram dos ninhos e levei-os para casa para tratar deles. Eu já fui a melhor aluna da turma. Eu já fui a menos popular da escola. Eu já preguei um estalo na cara de um gajo que me apalpou o rabo. Eu já fui vítima de bullying. Eu já odiei alguém com todas as minhas forças. Eu já amei alguém com todas as minhas forças. Eu já fui mesmo estúpida com alguém. Eu já mergulhei no mar à noite. Eu já tive festas de aniversário com a ausência da pessoa que eu mais queria lá. Eu já tirei macacos do nariz. Eu já levei com cocó de pombo em cheio na cabeça. Eu já tive uma pessoa a implorar-me um beijo e rejeitei-o, quando era tudo o que me apetecia. Eu já estive fechada na casa-de-banho de um bar a chorar sozinha, com pessoas do outro lado da porta a quererem usar a casa-de-banho. Eu já dei um número de telemóvel falso a alguém que mo pediu. Eu já fui descalça para casa depois de uma saída à noite. Eu já fiz muita força para não chorar num funeral, e hoje gostava de ter chorado. Eu já fui consolada por um estranho que me encontrou a chorar na rua. Eu já escrevi 7 folhas de teste num exame nacional. Eu já disse que era homofóbica a um gajo que não me deixava em paz - resultou. Já vi um filme mais de 5 vezes seguidas. Já tive momentos em que não me apetecia levantar da cama. Já estive deitada na berma de um rio. Já tomei banho vestida. Já vi um fantasma. Já vi um ovni. Já dancei sozinha só porque estava feliz. Já insultei um velho na rua, só porque me mandou um piropo. Já me surpreendi a mim mesma.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Quando nada nos parece certo...



Quando gostamos de alguém que não gosta de nós, o Mundo à nossa volta perde as cores. De repente, o cor-de-rosa esfuma-se e fica em tons de cinzento. Começamos a tentar perceber o que fazemos de errado, o que temos de tão errado para que aquela pessoa não goste de nós. Esquecemos até que muitas outras pessoas já gostaram, ou até gostam de nós - o que importa é que aquela, aquela em particular, a única que queríamos, não nos quer. Deixa-nos em desespero. Apetece-nos gritar "Eu posso ser tudo o que tu quiseres!" e prendê-la para que não vá para os braços de mais ninguém. Temos a certeza de que poderíamos ser melhores do que ninguém para essa pessoa - se ela ao menos nos deixasse tentar. Quando gostamos de alguém que não gosta de nós, o nosso cérebro luta constantemente com o nosso coração. Diz-lhe que aquela pessoa também é cheia de defeitos e, por cima disso tudo, não gosta de nós, o que deveria ser suficiente para não gostarmos dela também; o coração responde, numa voz muito mais alta, que não escolhe de quem gosta, que não pode deixar de gostar só porque sim, e que só queria a pessoa por perto - importam lá os defeitos agora. 
Quando gostamos de alguém que não gosta de nós, agarramo-nos a coisas pequeninas e insignificantes, como um sorriso na chegada, um olhar na despedida, ou as palavras que a pessoa usou numa sms. Qualquer coisa serve para manter viva a esperança de que, afinal, podemos estar enganados, de que, afinal, a pessoa até pode gostar de nós. Só que raramente estamos enganados, os nossos instintos costumam acertar quando nos dizem que não estamos a ser correspondidos, que aquele olhar podia ser alguma coisa mas depois o silêncio do outro lado diz muito mais. Quando gostamos de alguém que não gosta de nós, coisas tão simples como o tempo que a pessoa demora a responder-nos deixam-nos com os nervos em franja e passam a tomar as rédeas do nosso dia-a-dia. Pulamos de felicidade quando vemos o nome em questão no visor do telemóvel, o sangue corre-nos doutra maneira nas veias quando sabemos que vamos ver essa pessoa, limitamo-nos a passar pelos dias quando ela está longe. Quando gostamos de alguém que não gosta de nós, somos ridículos a este ponto. E só queríamos não ser ridículos sozinhos.
Cheers:)

O feiticeiro e o unicórnio


Muitas histórias que escrevo (e que muitas vezes não publico) imagino-as quando estou a tentar dormir. A última foi na madrugada de Quarta para Quinta-feira. É uma história que nada tem a ver com os nossos tempos... Uma história de fantasia de duas Criaturas sempre juntas mas eternamente separadas.
A minha mente em constante reprimenda de mim mesma diz-me que é uma história absurda, feita para sonhadores e eternos ingénuos dos finais felizes... Talvez a história seja mesmo assim... Porque é assim que eu sou... Eterna sonhadora e eternamente ingénua. Acredito no de que bom tem o ser humano e que maior parte do que dizem, o dizem com origem na verdade... 

Havia num mundo longínquo, um unicórnio e o feiticeiro que o domou... Ele sabia sempre quando o feiticeiro o chamava. Sabia que tinha de ir... se não fosse mais rápido, era um segundo que perdia na sua companhia.
Adorava quando ele lhe passava a mão no suave pêlo branco e imaculado. Sentavam-se junto ao rio e conversavam, por vezes dormitavam debaixo das árvores com a cabeça na barriga um do outro e nesse momento, o mundo era perfeito.
Mas havia sempre a hora de se separarem... Ele sabia que não podia ir com o feiticeiro para o seu mundo, pois as outras criaturas que ali povoavam eram diferentes dele e tentariam corromper a relação que tinham. Mas um dia, uma tempestade veio e separou os mundos que permaneciam juntos. Á medida que se separavam o unicórnio caiu por terra, sentia se mal e doente... O que se passava com ele, não sabia dizer. Estava sozinho agora, sem ninguém por quem chamar. Á medida que os dias passavam, as dores aumentavam, estranhamente sentia se cada vez mais pequeno, o pêlo já não se encontrava macio e tufos começavam a cair, formando bolas no chão onde se encontrava. Os habitantes da floresta deixavam comida para que se pudesse alimentar e ia comendo conforme podia.
As dores eram de tal forma insuportáveis que o seu corpo "desligou-se".
Acordou uma noite sem saber o que acontecera. Á medida que os seus olhos abriam e começou a observar, viu formas estranhas no seu corpo... Já não tinha cascos e sim dedos nos pés. Não tinha pêlo a cobrir o seu corpo, apenas uma pele nua banhada pela luz da Lua. Pelos seus ombros já não descansava uma crina branca, mas cabelos castanho chocolate. O choque era iminente. Apercebeu-se que afinal não era ele, mas sim ela.
O que me aconteceu? Era a pergunta mais recorrente na sua cabeça...
Tentou-se colocar de pé, mas não sabia como... Sempre se conhecera como um animal quadrúpede.
Mas aprendeu. Caminhou amparada ás árvores como podia, sabia que tinha de ter respostas. 
Encontrou os dois druidas da floresta, Juanusft e Mafauklos, dois sábios que ajudavam quem precisasse dos seus conselhos e orientação.
Os seus olhos arregalaram-se quando viram aquela criatura a subir as suas escadas. Suja e nua. Mafauklos correu a cobri-la.
Não é correcto andares assim tão exposta- disse lhe com voz complacente.
Ajoelhou-se no chão sem mais forças e tentou falar.
Só preciso saber... o que me aconteceu...
Era uma confusão na sua cabeça.
Finalmente aconteceu- conferenciavam os dois druidas. Como não vimos isto acontecer?
Tornaste-te humana, foi o que te aconteceu.
Mas porque sinto isto no meu peito? Uma tristeza enorme assola-me e água corre-me dos olhos. Eu perdi o meu feiticeiro e...
Já não és quem tu pensavas que eras. Tens de deixar isso para trás e habituar-te á tua nova condição. Nós ensinar-te-mos como viveres e como agires junto dos do teu género.
E assim foi. Aprendeu e viveu junto dos humanos, mas nunca conseguia ser totalmente feliz... Como se uma parte sua faltasse e estivesse perdida. 
Decidiu não viver mais ali e voltaria para a floresta. Com o que aprendeu junto dos humanos e seus costumes, saberia bem sobreviver sozinha.
Viveu sozinha onde sempre viveu, durante o que lhe pareceu anos. 
Enquanto o feiticeiro entrou num barco e foi procurar o seu unicórnio, pois sentia a sua falta como o ar dos seus pulmões, o sol brilhava bem alto lá no céu e o mesmo sol que o iluminava era o mesmo a iluminava a ela e nesse mesmo dia, ela caiu por terra com as mesmas dores que um dia tinha experienciado. E novamente o seu corpo "desligou-se".
Quando acordou e quando se olhou, tudo parecia igual, excepto um rasgão na pele da sua perna direita. Quando passou o dedo a pele afastou-se e por baixo dela, pêlo. Do mais branco e imaculado que ela tinha visto... As dores voltaram e ela desmaiou. Quando recuperou era novamente noite e era novamente um unicórnio. Grande e quadrúpede como sempre foi. E dentro de si ouvia um chamamento como já não ouvia há muito tempo. Sem tempo a perder, partiu numa corrida desenfreada, tropeçando nas pedras e nas raízes das árvores. Corria, tinha de correr, tinha de o ver. Cada segundo que passava, era menos um segundo que estaria na sua companhia. 

Como esta história irá continuar?
Talvez sonhe mais um pouco...
Cheers :)

Já existe?


Tenho um sentimento de insatisfação permanente... De querer o que eu não tenho... o que eu provavelmente nunca irei ter...
Estranha ironia do Senhor lá de cima... É uma sensação extremamente ingrata e insatisfatória... A medicina de hoje poderia inventar um medicamento para isto... Talvez já tenha inventado... Chamam-se antidepressivos...
Hoje só me apetece gritar até as minhas cordas vocais rebentarem... "PORQUÊ?! QUE MAL TE FIZ EU??"

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Sugestão


Que tal uma sugestão para o jantar de hoje? Recomendo o restaurante Lazuli. Situa-se na praia nº3 de Leça da Palmeira.
Comi lá o melhor bacalhau com natas e bebi a melhor sangria... Muito bom mesmo, experimentem e bom apetite.
Cheers :)

Mais Novidades?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...